Dono de uma borracharia em Goianésia, é suspeito de matar a esposa, em seguida suicidar - Jornal Populacional
Sexta-Feira, 07 de Agosto de 2020

Dono de uma borracharia em Goianésia, é suspeito de matar a esposa, em seguida suicidar

Publicado em 01/09/2018 às 20:13

CLIQUE PARA AMPLIAR
PUBLICIDADE

Na manhã deste sábado, 01, uma tragédia em família foi registrada na Avenida Contorno, entre as Ruas 32 e 34, região oeste de Goianésia, quando um casal foi encontrado morto dentro da residência. Os corpos estava envoltos com muito sangue, foram encontrados por um dos filhos do casal.

 

A Polícia Militar foi acionada e isolou o local para que a Polícia Científica de Goiás, regional Goianésia, pudesse realizar a perícia e iniciar as investigações no sentido de descobrir o que realmente aconteceu.

 

De acordo com o delegado Marco Antônio Zenaide Maia Júnior, a princípio trata-se de homicídio seguido de suicídio, onde o homem, identificado como Hermes Peixoto de Melo, de 65 anos, teria matado a sua esposa Maria das Graças dos Santos Melo, de 54 anos, com alguns golpes de faca e em seguida suicidado cortando um dos pulsos.

 

Pela rigidez dos cadáveres, o homicídio seguido de suicídio pode ter ocorrido por volta de 6h da manhã deste sábado (1), logo após eles terem tomado café da manhã, uma vez que a mesa ainda estava posta, porém, o casal só foi encontrado por volta de 11h00.

 

"Ele deixou uma carta dizendo que eles estavam juntos há 35 anos e ela pediu a separação. Ele disse que estava muito triste e que não ia aceitar isto", disse o delegado responsável pelo caso.

 

De acordo com a polícia, os corpos foram encontrados por um dos três filhos do casal, que mora na casa ao lado.

 

"Ele estranhou o fato de a borracharia estar fechada. Ligou para o pai e a mãe, mas ninguém atendeu. Então, ele foi até a casa dos pais e os encontrou mortos", relatou Júnior.

 

Os corpos foram removidos ao Instituto Médico Legal (IML) de Goianésia. 

 

 

COMENTÁRIOS

Os comentários aqui postados expressam a opinião de seus autores, responsáveis por seu teor, e não do Jornal Populacional

(62) 8585-3737