Nivel do Rio das Almas nunca ficou tão baixo, é preocupante - Jornal Populacional
Quarta-Feira, 30 de Setembro de 2020

Nivel do Rio das Almas nunca ficou tão baixo, é preocupante

Publicado em 19/10/2014 às 20:18

CLIQUE PARA AMPLIAR
PUBLICIDADE

Preocupados com o baixo nível de água do Rio das Almas , os grupos:  Ação do Cidadão, Associação dos Amigos do Rio das Almas, Jet Club de Ceres, Clube do Vôlei se reuniram neste sábado no complexo turístico onde realizaram reparos na rampa de acesso ao rio, segundo relatos dos mesmos, esse ano o nível do Rio atingiu um alarmante nível baixo ,  chegando a diferença em relação ao ano passado em 5 metros linear a menos e quase 1 metro de nível em altura, que com certeza se algo não for feito poderá levar a um colapso em um futuro próximo, onde a água que é uma fonte de vida fundamental poderá chegar a escassez em breve.

 

Segundo Fabiano Vidigal (Popó) ficou firmado uma ação voluntária de um levantamento das nascentes que geram vida ao rio, com uma ação de revitalização gradual com plantio de árvores nativas e frutíferas ao longo das margens do rio, proteção e revitalização das nascentes. Essa ação começará em meados do mês de Novembro e se estenderá até Dezembro, culminando em um mês ecológico em socorro ao precioso Rio das Almas e envolverá toda a comunidade.

 

Com a estimativa de plantio de 2 mil árvores incluindo o córrego do Telo, córrego Marinho e mais outras 3 nascentes próximas, o grupo não medirá esforços para concretizar essa ação e chama a atenção da população para esse fato, pois se nada for feito, em breve não teremos mais água em seu leito. Em entrevista ao Jornal Populacional Sr. Milton que possui uma chácara às margens do Rio das Almas demonstra preocupação pois jamais viu o rio nesta situação.

 

A câmara de vereadores de Ceres representada pelos vereadores Reiller e Marcão não só estiveram no local, como também Ajudaram e apoiam a ação.

MAIS FOTOS

COMENTÁRIOS

Os comentários aqui postados expressam a opinião de seus autores, responsáveis por seu teor, e não do Jornal Populacional

(62) 8585-3737