Menina de 7 anos é picada por cobra na casa da avó, em Goiânia - Jornal Populacional
Sexta-Feira, 21 de Fevereiro de 2020

Menina de 7 anos é picada por cobra na casa da avó, em Goiânia

Publicado em 28/12/2019 às 12:51

CLIQUE PARA AMPLIAR
PUBLICIDADE

Uma menina de 7 anos foi picada por uma cobra após pisar nela sem querer enquanto corria pela garagem da casa da avó, em Goiânia. A família contou que o acidente aconteceu na manhã de quinta-feira (26), quando ela foi levada ao Hospital de Doenças Tropicais (HDT) e internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

 

O hospital informou que, até o início da tarde desta sexta-feira (27), a paciente tinha quadro estável. Segundo a família, a previsão é que a garota fique na UTI por ao menos 72 horas.

 

"Peço uma campanha de orações pela saúde dela", diz a mãe, Sara Jane Meireles de Souza.

 

O infectologista João Alves afirmou que o principal cuidado a ser adotado quando alguém é picado por uma cobra é procurar socorro médico imediato. Ele não aconselha remédios caseiros e muito menos o garrote – uma espécie de faixa amarrada próxima ao local da ferida para evitar que o veneno se espalhe pelo corpo e estancar sangramento.

 

Mariana Meireles Ventura  — Foto: Sara Jane/ Arquivo pessoal. 

 

“O primeiro procedimento em caso de acidente com cobra é procurar assistência médica mais próxima. [...] As principais serpentes em Goiás produzem lesão local com inchaço, necrose. Então, se você faz um garrote, você vai piorar o quadro”, explicou.

 

Alves também contou que o perigo pode ser maior quando as vítimas são crianças ou idosos. Segundo ele, nos corpos pequenos o veneno pode se espalhar mais rápido e causar maior dano. No caso dos idosos, o corpo pode não conseguir combater com eficiência.

 

A cobra vai inocular uma quantidade de veneno fixa. Se eu tenho uma criança pequena, ele vai fazer um estrago maior que em um adulto. Tendem a ser mais graves porque o veneno vai se distribuir em organismo menor. Nos idosos também [é mais grave] porque não têm reações de maneira adequada”, detalhou. (Do G1 Goiás). 

 

COMENTÁRIOS

Os comentários aqui postados expressam a opinião de seus autores, responsáveis por seu teor, e não do Jornal Populacional

(62) 8585-3737