Idosa morre minutos depois de tomar vacina contra H1N1, em Goiânia - Jornal Populacional
Terça-Feira, 24 de Setembro de 2019
  • Idosa morre minutos depois de tomar vacina contra H1N1, em Goiânia

    Publicado em 18/04/2018 às 22:41

    CLIQUE PARA AMPLIAR
    PUBLICIDADE

    Uma idosa de 69 anos morreu na manhã desta quarta-feira (18) minutos após tomar a vacina contra H1N1, no Centro Municipal de Vacinação, no Setor Pedro Ludovico, em Goiânia.

     

    Segundo o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Maria da Conceição Macedo Silva sofreu uma parada cardiorrespiratória. A Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia (SMS) informou que é "prematuro" relacionar a morte com a vacina.

     

    A mulher, que tinha pressão alta, estava acompanhada do marido e de dois filhos. Ela chegou ao local por volta de 6h e aguardou pouco mais de duas horas para ser vacinada. Logo após ser imunizada, a vítima passou mal e desmaiou na calçada. Um dos filhos dela contou à TV Anhanguera que ela não se queixou de nada antes de passar mal.

     

    Uma funcionária do Centro Municipal de Vacinação foi até a rua e fez sinal para uma equipe do Corpo de Bombeiros, para pedir ajuda. Pouco depois, chegaram funcionários do Samu. O filho da idosa segurou o soro com adrenalina enquanto médicos faziam massagem cardíaca. Às 9h25, os socorridas informaram que ela não resistiu.

     

    A superintendente de Vigilância em Saúde da SMS, Flúvia Amorim, afirmou que a morte não apresenta relação com a imunização.

     

    "O quadro apresentado não é compatível com reação adversa da vacina. Tudo leva a crer que ela teve um infarto. Mesmo assim, o corpo será levado ao SVO [Serviço de Verificação de Óbito] para que a causa da morte seja investigada e definida".

     

    Flúvia pontua que em casos de reação anafilática à vacina o paciente apresenta sintomas como coceira, coriza e inchaço da garganta. No caso da idosa, conforme ela, houve uma morte súbita.

     

    "Foi um triste coincidência. A vacina demora algumas horas para apresentar qualquer reação, e ela não tinha sinais de alergia à medicação após ter caído na saída da unidade", completou.

     

    COMENTÁRIOS

    Os comentários aqui postados expressam a opinião de seus autores, responsáveis por seu teor, e não do Jornal Populacional

    (62) 8585-3737