Irmãos que mandaram bomba para matar advogado vão a júri popular - Jornal Populacional
Terça-Feira, 16 de Janeiro de 2018
  • Irmãos que mandaram bomba para matar advogado vão a júri popular

    Publicado em 11/01/2018 às 17:51

    CLIQUE PARA AMPLIAR
    PUBLICIDADE

    O Juiz Jesseir Coelho de Alcântara mandou a júri popular dois irmãos. Eles são acusados de tentativa de homicídio; o crime foi qualificado pelo motivo torpe, uso de explosivo e dissimulação. Os acusados encaminharam uma bomba a um escritório de advocacia de Goiânia após um deles perder uma ação judicial que o advogado trabalhava.

     

    O crime aconteceu em 2016 e o jurista teve três dedos da mão decepados com a explosão da recepção do escritório, localizado em uma região nobre.

     

    Em substituição na 2ª Vara Criminal de Crimes Dolosos Contra a Vida e Tribunal de Júri de Goiânia, o magistrado determinou que os policiais federais aposentados Ovídio Rodrigues Chaveiro e Valdinho Rodrigues Chaveiro devem ser julgados pelo homicídio, na modalidade tentada.

     

    O crime foi praticado porque o advogado defendia uma causa em que a filha de um dos acusados disputava a tutela de uma criança; a justiça entendeu que e o cliente do advogado Walmir Cunha deveria ficar com a guarda.

     

    RELEMBRE


    O atentado aconteceu no fim da tarde do dia 15 de julho de 2016. Um moto taxista chegou ao escritório de advocacia, bateu a campainha e falou que tinha uma encomenda para o “Doutor” Walmir.

     

    A secretária do escritório recebeu o embrulho e avisou ao advogado, que foi até a recepção e pegou a caixa. Segundo relato dela para PMs, fazia o barulho semelhante ao de um ponteiro de relógio em funcionamento. Assim que Walmir abriu a caixa ela explodiu, destruindo parte da recepção e ferindo a mão esquerda, o pé e o peito do advogado.

     

    Walmir Cunha, que tinha 37 anos à época, perdeu três dedos da mão direita e ficou com outras escoriações pelo corpo.

     

    Investigações da Polícia Civil descartaram a possibilidade de participação do motoboy que entregou a encomenda, já que ele não tinha conhecimento do que transportava.

     

    Em setembro de 2017, a Polícia Civil divulgou imagens do homem responsável por enviar a encomenda, um senhor de cerca de 60 anos. As investigações também concluíram que o artefato enviado ao advogado não poderia ter sido fabricado por qualquer pessoa. Por isso, o delegado responsável pelo caso acreditava que ao menos um policial tivesse participado do atentado.

    COMENTÁRIOS

    Os comentários aqui postados expressam a opinião de seus autores, responsáveis por seu teor, e não do Jornal Populacional

    (62) 8585-3737