Clínica da Mulher em Ceres agora com Ultrassom morfológico - Jornal Populacional
Quarta-Feira, 26 de Julho de 2017
  • Clínica da Mulher em Ceres agora com Ultrassom morfológico

    Publicado em 01/11/2016 às 17:13

    CLIQUE PARA AMPLIAR
    PUBLICIDADE

     CLÍNICA DA MULHER - Excelência na saúde preventiva e curativa da mulher oferece acompanhamento Ginecológico e Obstétrico, conta com equipamentos modernos para realização de exames e uma equipe capacitada para melhor atender as necessidades dos pacientes.

     

    Oferece também atendimento especializado em diversas outras áreas: cirurgia plástica, dermatologia, nutrição, pediatria e psicologia. Agora também realiza o Exame de Ultrassonografia Morfolófica.

     

     O ultrassom morfológico é um exame de rotina feito normalmente entre 20 e 24 semanas de gravidez. Serve para avaliar o desenvolvimento do bebê com bastante detalhe, incluindo os órgãos internos. Nessa ultrassonografia também já dá para descobrir o sexo do bebê, desde que ele "colabore".

     

    Ao mesmo tempo, a morfológica -- como é comumente chamada -- detecta também a posição da placenta no útero.

     

    O que vou conseguir ver no ultrassom morfológico?

     

    O ultrassom morfológico do segundo trimestre é uma boa oportunidade de ver o seu bebê, porque ele ainda vai caber quase inteiro na tela. Você pode pedir ao médico que grave o exame para você, e que imprima uma foto.

     

    No começo pode ser difícil distinguir as imagens, mas com a orientação do ultrassonografista você deve conseguir perceber o rosto e alguns órgãos. Nem sempre, porém, o bebê está de perfil para que a imagem saia tão bonitinha quanto você gostaria. Tudo o que for osso vai aparecer em branco na tela, por isso não se assuste em ver mais o esqueleto do bebê que qualquer outra coisa. Os tecidos aparecem num tom acinzentado, pontilhado e irregular, e tudo o que for líquido aparece em preto.

     

    O que a morfológica examina?

     

    A ultrassonografia morfológica analisa as seguintes características: o formato, a estrutura e a medida da cabeça do bebê. Nessa fase, problemas graves de formação cerebral (que são raros) já são visíveis; o rosto do bebê, para ver se não há fenda labial (lábio leporino). Se disponível, a imagem em 3D e 4D pode ajudar nesse diagnóstico. A fenda palatina, no céu da boca, é mais difícil de detectar no ultrassom.

     

    A coluna do bebê, para ter certeza de que todos os ossos estão alinhados e de que a pele cobre a parte final, perto do bumbum.

     

    O coração do bebê. Já dá para ver as quatro câmaras do coração. Os dois átrios (parte superior) e os dois ventrículos (parte inferior) devem ter o mesmo tamanho. As válvulas devem abrir e fechar a cada batida do coração.

     

    O ultrassonografista também examina as principais veias e artérias do coração (que aparecem em azul e vermelho, se houver uso do doppler). O estômago do bebê, que aparece na imagem como uma bolinha escura, porque está cheio do líquido amniótico que ele engole. Os rins do bebê.

     

     O médico observa se os dois rins estão presentes, e se a urina está indo normalmente para a bexiga. Se a bexiga do bebê estiver vazia, ela deve se encher ao longo do ultrassom, de modo a ficar visível.

     

    O bebê faz xixi lá dentro de meia em meia hora, mais ou menos.

     

    Os braços, as pernas, as mãos e os pés do bebê. A posição da placenta. Ela pode estar na parede anterior ou na parede posterior do útero, normalmente mais para o alto (chamado de fundo). Se a placenta estiver baixa, próxima da entrada do colo do útero, ela será descrita como placenta prévia. Nesse caso, você fará mais um ultrassom mais próximo do parto. Em grande parte dos casos a placenta muda de lugar sozinha, permitindo o parto vaginal. O cordão umbilical e seus três vasos sanguíneos (duas artérias e uma veia), se o ultrassom for realizado com doppler. Não é motivo de preocupação se o médico verificar que o cordão está enrolado no bebê. A quantidade de líquido amniótico, que deve ser suficiente para que o bebê se movimente com liberdade.

    O fluxo sanguíneo nas artérias uterinas da mãe, o que pode indicar risco de pressão alta no fim da gestação.

     

    Como é que o médico consegue estimar o peso do bebê no ultrassom?

     

    O tamanho e o peso do bebê são apenas uma estimativa, feita tomando como base algumas medidas feitas durante o ultrassom morfológico: a circunferência cefálica (tamanho da cabeça), a circunferência abdominal e o comprimento do fêmur (o osso da coxa). A cada medida dessas, pode ser que apareça na tela uma idade gestacional ou uma data de parto um pouco diferente da sua. Isso não quer dizer que sua data prevista de parto vá mudar. Só significa que seu bebê está abaixo ou acima da média dos bebês nessa fase.

     

    Se a data de parto for anterior à sua, é porque ele está grande; se for posterior, é porque ele está um pouquinho menor.

     

    Na maioria das vezes essas variações são normais: assim como há crianças mais altas e mais baixas, o tamanho do bebê já começa a variar de criança para criança dentro da barriga, a partir do segundo trimestre da gestação.

     

    Se o ultrassom morfológico for normal, quer dizer que o bebê vai nascer normal?

     

    Muito provavelmente sim. A maioria dos problemas mais graves tem grande chance de ser vista na eco morfológica, por isso há bons motivos para você ficar aliviada. Caso os médicos detectem alguma anormalidade no ultrassom, provavelmente repetirão o exame e acompanharão sua gravidez com mais cuidado para se certificarem de que está tudo bem ou para tomar providências. Entre essas providências podem estar recomendar exames complementares ou que o parto aconteça num hospital com UTI neonatal.

     

    Clínica da mulher, Rua São Patrício, fone: 62 -  3323-2733 - Ceres. 

    COMENTÁRIOS

    Os comentários aqui postados expressam a opinião de seus autores, responsáveis por seu teor, e não do Jornal Populacional

    (62) 8585-3737